• Colaboradores

Tatuagem: não quero mais, e agora?

Por Dr. Érico Pampado Di Santis médico (CRM 96.546) dermatologista (RQE 21.582)

Doutor em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo

Professor de Dermatologia na Universidade de Mogi das Cruzes

A tatuagem é a forma de modificação do corpo mais conhecida e realizada do mundo.

A tatuagem é feita pela deposição de pigmento dentro da derme, a qual, diferente da epiderme não se regenera, não descama e por isso a tatuagem é definitiva.

Não é de hoje que esta arte é realizada pelos homens e mulheres. No Egito, entre 4.000

e 2.000 a.C., nativos da Polinésia, Filipinas entre outros povos faziam tatuagens relacionadas à religião. Na Idade Média foi proibida pelo Papa, sendo considerada uma prática demoníaca.

A História diz que a divulgação da tatuagem foi feita por marinheiros que as tinham e com suas inúmeras viagens propagavam-na por onde passavam. Alguns governos usavam a tatuagem para identificação de criminosos e até os dias atuais, muitos a conotam como “fora da lei”. Usadas nos presídios como marca entre presos para reconhecimento de crimes, de opção sexual e do número de delitos.

Hoje o que vemos é a “liberação” social da tatuagem. Aceita, está na pele de muitas pessoas, que até pouco tempo seria incompreensível.

A história, o propósito de quem a faz, a homenagem, é tudo virtuoso, a bela arte viva cravada na pele, acompanhando em todo momento “seu dono”. Mas e quando vem o desgosto, o asco a implicância com a inicialmente desejada tatoo e aí vem a queixa: “doutor não quero mais isso em mim.”

De nada adianta falar e condenar o portador da tatuagem com os famosos: “falei pra não fazer”, “sabia que ia enjoar” entre outros clichês famosos principalmente dados pelos pais e parentes mais próximos. Quando não é pelo novo marido ou namorado: “eu não ligo de você ter o nome dele, sei que você me ama, mas se conseguir tirar eu prefiro”.

E agora, como retirar uma tatuagem?

Existem algumas maneiras de se remover a tatuagem ou dermopigmentação externa como conhecemos. O laser sem dúvida é a mais famosa, mas não isenta de cicatrizes e tão pouco é a única.

A remoção de tatuagem com o uso de laser é possível graças à ligação que a luz amplificada emitida pelo aparelho de laser tem com o pigmento da tatuagem. Essa absorção de energia luminosa pelos pigmentos faz com que ele esquente ao ponto de implodir. Cada pigmento absorve uma onda de luz específica. Por isso cada cor necessita de um tipo de laser, que pode ser emitido por máquinas diferentes. Essa explosão de pigmento é acompanhada por uma liberação de calor na pele que pode deixar cicatrizes se for suficiente para danificar a derme, Abrasão e cauterizações elétricas ou por ondas também podem ser usados.

Um método muito eficiente, porém que sempre está acompanhado de cicatriz, pelo menos da mesma extensão da tatuagem, é a remoção total da pele tatuada. Com um bisturi normal (lamina de aço) corta-se a pele tatuada e depois sutura-se com o propósito de aproximar as bordas da região. Como há um óbvio dano da pele, há formação de um novo tecido, o tecido cicatricial.

Em minha experiência, quando a pessoa deseja retirar o nome do ex-companheiro, um desenho que agora é odiado, um símbolo que continua representar uma ideia que não pertence mais a essa pessoa, o tatuado não se importa o quanto irá sofrer ou como ficará a cicatriz. A decisão vem e predomina sobre tudo, quer mesmo retirar a tatuagem.

Serei repetitivo e darei meu “conselho” aqueles que desejam fazer uma tatuagem. Pense muito bem. Se possível faça um desenho de maneira reversível e analise o em situações diversas, com várias roupas. Mostre a quem você confie e escute sua opinião de cabeça aberta. Não faça tatuagem por impulso. Veja o trabalho do tatuador, considere a sua habilidade, fineza dos traços, distribuição de cores. Certifique-se que não tem nenhuma alergia a pigmentos com seu dermatologista.

E por fim, se a decisão for a de fazer sua tatuagem, seja feliz com ela. Tenha como um adereço querido, uma expressão de momentos, sentimentos que lhe cause boas lembranças, que realmente espelhe o simbolismo do seu interior exteriorizado através desta bela arte na pele.

Dr Érico Pampado Di Santis | Dermatologista Absoluta Dermatologia / Endocrinologia Av John Kennedy 973 - Jd das Nações Tel - (12) 3633 2695

0 visualização
  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

© 2018 - Revista Vitti

Design criado por Murilo Baracho e Renata Cundari