• Colaboradores

Guia de tapetes: arquiteta Ana Yoshida desvenda os mistérios para a escolha do modelo ideal

A arquiteta Ana Yoshida compartilha informações que ajudam a definir tamanho, tecido e cor dos tapetes de cada ambiente da casa

As cores obedecem a uma mesma paleta entre tapetes, mesa, parede e quadros


É possível dizer que o tapete é o toque final em um ambiente, aquele arremate da decoração. A arquiteta Ana Yoshida, do escritório Ana Yoshida Arquitetura e Interiores, concorda: “esse elemento dá aconchego e enriquece o ambiente como um item decorativo”. Existente em uma infinidade de tonalidades, tamanhos e materiais, nem sempre é fácil escolher o tapete perfeito para a casa. As dicas da arquiteta são um ponto de partida para definir qual o modelo ideal de acordo com as suas necessidades.


Função e tamanho

Os tapetes setorizam os ambientes. De acordo com a arquiteta, esse elemento funciona melhor quando apresenta dimensões superiores à área que deve demarcar, sem ficar perdido ou solto no espaço. “É sempre bom jogar um tapete para baixo do sofá e da poltrona para abranger também o mobiliário. Ele torna as salas mais amplas e funciona como um link dos elementos que estão nela”, comenta. Em termos gerais, recomenda-se um recuo de pelo menos 10 cm do tapete para baixo dos sofás.

Atenção: considere sempre a espessura e altura do seu tapete, principalmente em relação às portas, que recuarão e não podem ter a mobilidade impedida. Nesses casos, é interessante que eles não sejam muito grossos. Essa atenção ao material e altura dos pelos também vale para espaços com cadeiras e poltronas, como a sala de jantar. Nesse caso, o tapete deve ocupar um espaço maior que o das cadeiras. Caso contrário, elas poderão se enroscar em suas bordas.


Material

A escolha do tecido do tapete depende, entre muitos fatores, do ambiente onde ele estará. “Na sala, por ser um ambiente que recebe visitas, é possível colocar um tapete mais nobre de acordo com estilo da decoração e do morador. Entre os materiais, recomendo algodão e seda, pois têm o toque fofinho, combinado com o suave, e costumam ser peças de boa qualidade. Um tapete de lã também é uma boa pedida, pois tem a vantagem do conforto térmico-acústico”, explica Ana. Não existe uma regra pronta, variando entre modelos rústicos, despojados, clássicos...

No quarto, um ambiente de menos fluxo de pessoas e onde reina o aconchego, a indicação é de um tapete com toque gostoso e mais pelos.

 Já na sala de jantar, pode ser que a melhor pedida sejam os tapetes com tecido sintético – mais fáceis de limpar e com pelo baixo que ajuda na manutenção e no manuseio das cadeiras. “Uma dica para limpeza é impermeabilizar os tapetes para a sujeira sair mais fácil”, comenta.

Quando pensamos em tecidos, precisamos considerar a manutenção. Cada tipo de tapete, assim como acontece com os estofados dos sofás, precisa de um cuidado e se adapta a perfis de famílias diferentes. É o caso do tecido sintético preferível para a sala de jantar, dica válida também para famílias com crianças pequenas e animais de estimação. Quem possui alergias também se beneficia de optar por modelos com o material.


Cores

Existem mais tons de tapetes do que você consegue imaginar – incluindo peças de cor única, com muitas nuances e até degradês. A vantagem disso é poder usá-lo em parceria com almofadas e outros pontos de cor nos ambientes, criando uma conversa entre os elementos da decoração. Pode ser que você opte por fazer do tapete a base do décor e, por isso, escolha uma cor neutra com mais textura.  Já se a preferência for que ele ancore a decoração como um destaque, pode-se optar por uma cor única que pauta toda a paleta de cores – como é o caso do azul, presente nos elementos principais desse apê.

Sobre Ana Yoshida Arquitetura e Interiores Para explicar o portfólio atual e moderno da jovem arquiteta paulistana Ana Yoshida, com escritório desde 2008, é preciso ir além da formação em arquitetura e urbanismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Experiências com comunicação visual de lojas, cenografia de festas e eventos, e a paixão pela dança, que ela traz desde a infância, ajudam a compor o caldeirão de ideias que dá forma aos projetos de decoração e interiores cheios de bossa, estilo, personalidade e elegância.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Por Sérgio Victor Segundo dados pré pandemia do Ministério da Economia, o turismo em nossa região gera mais de R$15 bilhões de reais por ano e atrai mais de 41 milhões de turistas, que se dividem nos

Por Alessandra Gabriel Ofereço aqui através da minha visão holística uma série de dicas que vão desde decoração ao estilo feng shui para tornar a sua casa um lugar acolhedor. O bloqueio imposto devido